Como ser um amigo melhor com uma escuta compassiva

Ouvir com compaixão é um ato de abnegação, permitindo que alguém fale e expire sua dor.
Ouvir com compaixão é um ato de abnegação, permitindo que alguém fale e expire sua dor. | Fonte

Por que a escuta compassiva é importante

Por que muitas vezes somos seres humanos em nosso pior momento, quando nossos amigos e familiares mais precisam de nós? Se você já lamentou a perda de um filho, animal de estimação, casamento ou emprego, esperava que as pessoas se reunissem ao seu redor, o confortassem e oferecessem apoio. Quando isso não aconteceu, você pode ter ficado chocado e desapontado. A negligência deles pode ter feito você perder a fé na humanidade, tornar-se cansado, voltar-se para dentro e ficar mais isolado. Isso é exatamente o que aconteceu comigo quando meu filho de 4 anos foi diagnosticado com autismo e, para minha consternação, as pessoas ao meu redor me deram as costas.

Isso foi há mais de 12 anos e meu filho agora está prosperando no ensino médio. Mas, embora ele permaneça ileso daquele período, ainda carrego o trauma. Como parte da minha recuperação dessa dor, conversei com outras pessoas que experimentaram a mesma rejeição dolorosa. O que ouço dessas pessoas repetidamente é como elas precisavam falar sobre sua dor e liberar sua dor. Em vez de amigos e familiares fazendo um ato de desaparecimento sobre eles, eles queriam que eles estivessem presentes e ouvissem sua tristeza.



Foi quando eu comecei a apontar a escuta compassiva como a ferramenta mais crucial para ajudar uma pessoa em perigo. É a chave para dar a alguém o alívio de que precisa em um mundo que geralmente é indiferente ao seu sofrimento. O melhor de tudo é que é tão fácil de fazer e você rapidamente perceberá como é poderoso. Ao usar a escuta compassiva, mantenha estes três componentes cruciais em mente e você certamente terá sucesso:



  1. Coloque seu ego de lado.
  2. Esteja totalmente presente.
  3. Acompanhamento.


Não ter seu sofrimento reconhecido é uma forma de violência insuportável.



- Andrei Lankov

1. Coloque seu ego de lado

A parte mais desafiadora da escuta compassiva é deixar o ego de lado e deixar o orador falar com poucas interrupções. Alguns de nós fizeram aulas de escuta empática, aprendendo a usar as mensagens do tipo “Eu” e a reafirmar o que o palestrante diz. Mas descobrimos rapidamente as limitações dessa abordagem, pois ela nos fez sentir constrangidos e parecer rígidos e padronizados. Isso nos desviou do que era mais importante - deixar o alto-falante desabafar.

Com a escuta compassiva, você não se preocupa em usar mensagens do tipo 'Eu', reformular o que o orador disse, dar conselhos, fazer perguntas ou contar sobre suas experiências pessoais. Não é sobre você; é tudo sobre o alto-falante. É a hora de limpar a dor e a tristeza de seu corpo. Se você tem algo valioso a dizer sobre o assunto, este não é o momento. Guarde para outro dia.

Quando meu filho foi diagnosticado com autismo, fui forçado a pedir ajuda a um terapeuta profissional, porque ninguém em meu círculo queria ouvir. Eles se sentiram compelidos a me contar sobre seu irmão, irmã, amigo, vizinho ou primo terceiro removido por duas vezes que tinha autismo ou teve um filho com autismo. Eles se sentiram obrigados a me dar conselhos banais, como 'não se preocupe muito', 'tudo vai dar certo' e 'está tudo nas mãos de Deus'. Sentiram a necessidade de fazer perguntas insensíveis, tentando descobrir a raiz do autismo do meu filho: “Você acha que foi causado por vacinas? Corre na sua família? Você teve uma gravidez difícil?



De acordo com o psicólogo clínico Leon Seltzer, deixar alguém descarregar sua angústia é um dos maiores presentes que podemos dar. Ele escreve: “Seja tristeza, ansiedade, raiva ou frustrações em geral, segurar repetidamente o que pode ser necessário está relacionado ao comprometimento da saúde - física, mental e emocional”.

A escuta compassiva exige que nos comportemos como um terapeuta profissional, permitindo que o orador revele a dor reprimida em seu próprio ritmo e em seus próprios termos. Não apressamos o processo, mas o deixamos sair de uma forma orgânica, seja por meio de palavras, lágrimas ou raiva. Ao ouvirmos com compaixão, devemos estar preparados para emoções cruas e não nos assustarmos com elas.

Sentar em silêncio ao lado de um amigo que está sofrendo pode ser o melhor presente que podemos dar.

- Desconhecido Quando nós
Quando estamos ouvindo com compaixão, não devemos ter distrações e nenhuma agenda. Deixe o orador dizer o que quiser, sem interrupções, perguntas e julgamentos. | Fonte

2. Esteja totalmente presente

No mundo atual e agitado da alta tecnologia, muitas vezes damos apenas uma parte de nós mesmos para amigos e familiares e a outra parte vai para nosso telefone celular, laptop, computador ou I-pad. Nossas mentes estão sempre divididas entre o que estamos fazendo agora, o que acabamos de fazer e o que faremos a seguir. Raramente vivemos aqui e agora.

Com a escuta compassiva, porém, devemos estar totalmente presentes, sem distrações e interrupções. Isso exige que tenhamos uma mentalidade: não há nada mais importante na minha agenda do que estar aqui e ouvir essa pessoa falar sua verdade e liberar sua dor.

Quando penso naquele período em que o médico me disse que meu filho era autista, agora percebo que não ser ouvido e apoiado foi mais doloroso do que o próprio diagnóstico. Sem ninguém para me ouvir, meus pensamentos ficaram distorcidos e comecei a me culpar pela condição de meu filho. Achei que tinha feito algo errado durante a gravidez ou depois do nascimento dele.

Comecei a me sentir culpada e com vergonha de ser um fracasso como mãe. Se eu pudesse ter verbalizado esses pensamentos para uma alma carinhosa, acho que teria reconhecido o quão loucos eles eram. Mas em vez disso, eles permaneceram dentro de mim, e eu vivi em um mundo silencioso e secreto de desgraça. Fiquei cada vez mais isolado, não querendo estar perto de outras mães e seus filhos saudáveis ​​e normais.

Tornei-me um grande defensor da escuta compassiva, porque agora vejo como isso poderia ter feito uma grande diferença em minha vida. Se apenas uma ou duas pessoas o tivessem usado comigo após o diagnóstico de meu filho - tirando apenas 20 minutos de suas vidas - eu teria me sentido muito melhor.

É preciso coragem para ouvir o sofrimento de alguém e lidar com suas lágrimas e raiva. Mas aqueles que estão sofrendo precisam que você faça esse esforço - para fazer essa conexão - e deixe-nos saber o que está ferido e que importamos. Thich Nhat Hanh, um monge budista e mestre zen, diz que ouvir com compaixão é uma maneira de permitir que o falante 'esvazie o coração'.

Ninguém se importa com o quanto você sabe até que saibam o quanto você se importa.

- Theodore Roosevelt

3. Acompanhamento

Quando eu estava no meio da depressão após o diagnóstico de meu filho, meus pensamentos foram distorcidos. Eu via meu filho apenas como uma mercadoria danificada que precisava ser consertada, não a criança única e amorosa que ele realmente era. Eu estava muito envolvido em suas terapias, ouvindo os profissionais me dizendo o que havia de errado com ele e como mudar isso. Toda a minha existência o estava deixando melhor, não gostando de quem ele era naquele momento.

Teria sido extremamente valioso para alguém me dizer que eu estava fora do curso e me ajudar a recuperar alguma perspectiva. Embora isso não deva acontecer durante a escuta compassiva, pode ser realizado durante o acompanhamento.

O objetivo principal do acompanhamento é dizer: “Ouvi seu sofrimento e me importo com sua dor”. É também uma oportunidade de validar os sentimentos do palestrante: “McKenna, sei que você está preocupado com seu filho e com o que o futuro reserva para você e para ele. Você tem todo o direito de estar com medo. Eu também me sentiria assim. ”

É também a hora de dar sua opinião sobre a situação e, talvez, dar alguns conselhos: “McKenna, você é uma mãe tão carinhosa e deseja desesperadamente o que é melhor para seu filho. Mas lembre-se de que ele é seu filho, não seu paciente. Tire um tempo longe das terapias e seja pateta com ele e se divirta. '

Durante a escuta compassiva, você estabeleceu a base que mostrou que você se importava. Agora, durante o acompanhamento, você está na posição perfeita para ajudar a palestrante a ver sua situação com mais clareza e avançar de maneira positiva.

Eu recomendo fortemente este livro para aprender mais sobre a escuta compassiva e como usá-la em sua vida

A Arte de Comunicar Este livro bonito e simples, escrito pelo mestre zen e monge budista Thich Nhat Hanh, apresentou-me o conceito de escuta compassiva. Isso me fez perceber que, enquanto falava e ouvia ao longo do dia, eu não estava fazendo nada de maneira eficaz ou consciente. As palavras de Hanh me fizeram ver como a comunicação é poderosa e como precisamos ouvir com intenção e nos expressar com propósito. Este livro ajudou-me a compreender melhor as pessoas ao meu redor e a compreender melhor as pessoas à minha volta. Compre Agora